11 novembro 2021
18:00
Agência Lusa

COP26: Guterres diz que reduzir emissões sem deixar combustíveis fósseis soa a oco

EPA
Secretário-geral da ONU reconhece que têm surgido anúncios encorajadores mas não suficientes.

As promessas de redução de emissões de dióxido de carbono (CO2) para limitar o aquecimento global “soam a oco” enquanto o mundo não deixar os combustíveis fósseis, disse hoje o secretário-geral da ONU.

Falando na cimeira da ONU sobre o clima, que decorre em Glasgow, António Guterres disse: “As promessas soam ocas quando a indústria das energias fósseis continua a receber triliões de subvenções (…) ou quando os países continuam a construir centrais a carvão”.

António Guterres reconheceu ainda assim que tem havido “anúncios encorajadores” em Glasgow, desde o início da conferência.

"Os anúncios aqui em Glasgow são encorajadores, mas estão longe de ser suficientes", insistiu, acrescentando que a diferença entre as reduções de emissões a que os Estados se comprometeram e o que é necessário para limitar o aquecimento a +1,5°C continua a ser “uma ameaça esmagadora".

António Guterres insistiu que todos devem estar na luta conta as alterações climáticas, porque é uma responsabilidade de todos.

"Cada país, cada cidade, cada empresa, cada instituição financeira deve reduzir radicalmente, de forma credível e verificável as suas emissões, e descarbonizar os seus trabalhos, começando agora mesmo”, disse, instando os Estados a intensificarem a sua ambição de reduzir as emissões.

Mais de 120 líderes políticos e milhares de especialistas, ativistas e decisores públicos reúnem-se até sexta-feira em Glasgow, na Escócia, na 26.ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) para atualizar os contributos dos países para a redução das emissões de gases com efeito de estufa até 2030.

A COP26 decorre seis anos após o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta limitar o aumento da temperatura média global do planeta a entre 1,5 e 2 graus celsius acima dos valores da época pré-industrial.

Apesar dos compromissos assumidos, as concentrações de gases com efeito de estufa atingiram níveis recorde em 2020, mesmo com a desaceleração económica provocada pela pandemia de covid-19, segundo a ONU, que estima que, ao atual ritmo de emissões, as temperaturas serão no final do século superiores em 2,7 ºC.

Mais Notícias