19 novembro 2021
17:36
Agência Lusa

Recolha e tratamento de águas residuais melhorou na UE, Portugal bem colocado

Pixabay
Em toda a UE cerca de 90% das águas residuais urbanas são recolhidas e tratadas em conformidade com a diretiva relativa ao tratamento de águas residuais.

A recolha e tratamento de águas residuais está a melhorar em toda a União Europeia (UE), atingindo os 90%, indica um relatório da Agência Europeia do Ambiente (AEA), que coloca Portugal com uma taxa de tratamento de 92%.

Segundo o documento, hoje divulgado, em toda a UE cerca de 90% das águas residuais urbanas são recolhidas e tratadas em conformidade com a diretiva relativa ao tratamento de águas residuais.

De acordo com os perfis de cada país, a Áustria, a Alemanha, o Luxemburgo e a Holanda tratam 100% das suas águas residuais urbanas em conformidade com os requisitos da diretiva, havendo mais 10 países com uma taxa superior a 90%, incluindo Portugal.

No outro extremo da escala, indica o relatório, estão cinco países, que não atingem nem metade das suas áreas urbanas de acordo com as normas: Irlanda, Bulgária, Roménia, Hungria e Malta.

Portugal, com 92%, está acima de países como a Espanha (84%), a Polónia (87%), a França (90%), ou a Itália (apenas com 56%).

No relatório diz-se que em Portugal, os agregados familiares e algumas indústrias em 453 áreas urbanas geram em cada dia o equivalente a 2,59 milhões de metros cúbicos de águas residuais, algo como 26 milhões de banheiras.

Em Portugal, as águas residuais urbanas são tratadas em 478 estações em todo o país, antes de serem descarregadas, refere a agência europeia, que diz que são necessários mais esforços de Portugal para cumprir os objetivos de recolha e tratamento de águas residuais urbanas, seja em mais quantidade de águas recolhidas e mais tratamento biológico (com e sem remoção de azoto e fósforo).

No financiamento do setor, Portugal, diz-se no documento, investe três euros por cidadão, por ano, para novas infraestruturas de recolha e tratamento, bem como para a renovação de infraestruturas envelhecidas. A média da UE é de 41 euros por cidadão, por ano.

E outro dado importante que se salienta no relatório é o de que há uma diminuição das emissões de gases com efeito de estufa, pelo setor de tratamento de águas residuais urbanas em Portugal, de 39,1%, entre 2010 e 2019.

No relatório, a AEA salienta que a recolha e tratamento de águas residuais são fundamentais para reduzir as pressões e riscos para a saúde humana e o ambiente, especialmente para os rios, lagos e águas costeiras.

O relatório é publicado no Dia Mundial da Casa de Banho, destinado a alertar para o facto de muitos milhões de pessoas não terem acesso a boas condições de higiene e de limpeza, e junta dados dos 27 Estados membros, e da Islândia e da Noruega.

Mais Notícias