Ouça a Smooth FM em qualquer lado.
Faça o download da App.
04 julho 2022
12:56
Redação

Satélite da NASA sai da órbita ao redor da Terra e segue para a lua

NASA
A NASA planeia colocar uma estação espacial chamada Gateway no caminho orbital, da qual os astronautas podem descer à superfície da lua como parte de seu programa Artemis.

Um satélite do tamanho de um forno de microondas libertou-se com sucesso de sua órbita ao redor da Terra na segunda-feira e encontra-se em direção à lua, o último passo no plano da NASA de pousar astronautas na superfície lunar novamente.

Já foi uma jornada incomum para o satélite Capstone. Foi lançado há seis dias da Península Mahia da Nova Zelândia pela empresa Rocket Lab em um de seus pequenos foguetes Electron. Levará mais quatro meses para o satélite chegar à lua, pois viaja consumindo o mínimo de energia.

O fundador do Rocket Lab, Peter Beck, disse à Associated Press que era difícil colocar a sua excitação em palavras. "Provavelmente vai demorar um pouco para entender. Foi um projeto que nos levou dois, dois anos e meio e é incrivelmente, incrivelmente difícil de executar”, disse ele. "Então, ver tudo juntar-se esta noite e ver aquela espaçonave a caminho da lua, é absolutamente épico."

Beck disse que o custo relativamente baixo da missão, a NASA colocou em US$ 32,7 milhões, marcou o início de uma nova era para a exploração espacial. "Por algumas dezenas de milhões de dólares, agora há um foguete e uma espaçonave que podem levá-lo à lua, a asteroides, a Vênus, a Marte", disse Beck. "É uma capacidade insana que nunca existiu antes."

Se o resto da missão for bem-sucedida, o satélite Capstone vai enviar informações vitais por meses como o primeiro a fazer uma nova órbita ao redor da lua chamada órbita halo quase retilínea: uma forma de ovo esticada com uma extremidade da órbita passando perto da lua e outro longe dela.

Beck disse que a vantagem da nova órbita é que ela minimiza o uso de combustível e permite que o satélite, ou uma estação espacial, fique em contato constante com a Terra.

O foguete Electron lançado em 28 de junho da Nova Zelândia estava a carregar uma segunda nave chamada Photon, que se separou após nove minutos. O satélite foi transportado por seis dias em Photon, com os motores da espaçonave disparando periodicamente para elevar sua órbita cada vez mais longe da Terra.

Uma explosão final do motor na segunda-feira permitiu que o Photon quebrasse a atração gravitacional da Terra e enviasse o satélite em seu caminho. O plano agora é que o satélite de 25 quilos ultrapasse a lua antes de voltar para a nova órbita lunar em 13 de novembro. O satélite usará pequenas quantidades de combustível para fazer algumas correções de trajetória planeadas ao longo do caminho.

Beck disse que eles decidiriam nos próximos dias o que fazer com o Photon, que havia completado as suas tarefas e ainda tinha um pouco de combustível no tanque. "Há uma série de missões muito boas que podemos fazer com isso”, disse Beck.

Para a missão, a NASA uniu-se a duas empresas comerciais: a Rocket Lab, com sede na Califórnia, e a Advanced Space, com sede no Colorado, que possui e opera o satélite Capstone.

 

 

Mais Notícias