Ouça a Smooth FM em qualquer lado.
Faça o download da App.
03 outubro 2022
18:53
Agência Lusa

Ucrânia: Diretor da central nuclear de Zaporijia foi libertado

EPA
Igor Murachov tinha sido detido por uma patrulha russa, na passada sexta-feira.

O diretor-geral da central nuclear ucraniana de Zaporijjia, Igor Murachov, detido na sexta-feira pela Rússia, que controla o local, foi libertado, anunciou hoje a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

"Saúdo a libertação de Igor Murachov", escreveu na rede social Twitter o diretor da AIEA, Rafael Grossi, que confirmou que Murachov já está em casa ?são e salvo?.

O diretor da central nuclear de Zaporijia tinha sido detido por uma patrulha russa, quando viajava da central para a cidade de Ernogodar, controlada pelos russos.

O veículo que transportava o diretor da central fora detido e este retirado do automóvel, tendo posteriormente sido conduzido, com os olhos vendados, para um destino desconhecido", de acordo com relatos da agência que opera a unidade nuclear.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, condenou no sábado esta "detenção ilegal".

"Este crime é mais um ato de terrorismo de Estado da Rússia e representa uma grave violação do direito internacional", disse Kuleba.

A central nuclear, a maior da Europa, está ocupada desde o início de março por tropas russas, localizando-se na região de Zaporijia, um dos territórios ucranianos oficialmente anexados por Moscovo.

Uma delegação da AIEA, liderada por Rafael Grossi, visitou o local no início de setembro e dois dos seus inspetores permanecem nas instalações.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas ? mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa ? justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de ?desnazificar? e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Mais Notícias