REUTERS

AUTOR

Agência Lusa

Marcelo diz "só pode ser unânime" prémio a Chico Buarque

today 22 de maio de 2019

O Presidente português felicitou hoje o músico e escritor brasileiro Chico Buarque, vencedor do Prémio Camões 2019, defendendo que "só pode ser unânime" esta distinção da sua obra como romancista, dramaturgo, mas também como escritor de canções.

Numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa considera que, ao premiar Chico Buarque, o júri do Prémio Camões reconheceu "naturalmente também o extraordinário escritor de canções, um dos maiores da língua portuguesa".

Esta decisão vem "na continuidade de uma marcante decisão da Academia Sueca" de atribuir o Nobel da Literatura ao músico norte-americano Bob Dylan, dando "à canção, género ancestralmente ligado à poesia, um estatuto de dignidade literária", refere o chefe de Estado.

"Premiar 'letristas' pode ser sujeito a discussão, mas premiar Chico Buarque só pode ser unânime, porque, tal como Bob Dylan para a língua inglesa, as canções de Chico traduzem um profundo conhecimento da tradição poética e um alargamento das fronteiras da linguagem musicada, trazendo um grau de sofisticação inédito à música que se diz, e bem, popular", defende Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República saúda, por isso, o júri do Prémio Camões que, "por unanimidade, lhe concedeu esta distinção, reconhecendo o romancista de 'Estorvo' ou 'Budapeste', o dramaturgo e argumentista, mas também o extraordinário escritor de canções".

"Por outro lado, a obra de Chico Buarque, conquistou, ao longo de várias gerações, um incomparável respeito e emoção no mundo lusófono, nomeadamente pelos seus empáticos retratos femininos, pela afinidade com os bons malandros, pelo empenhamento político, pelo amor ao Rio de Janeiro e ao Brasil, pelo trabalho sobre uma língua que, atravessando tanto mar, nos une", acrescenta Marcelo Rebelo de Sousa.

Chico Buarque, de 74 anos, foi anunciado na terça-feira como o vencedor do Prémio Camões 2019, após reunião do júri na Biblioteca Nacional do Brasil, no Rio de Janeiro.

Escritor, compositor e cantor, nascido em 19 de junho de 1944, no Rio de Janeiro, Francisco Buarque de Hollanda estreou-se no romance com "Estorvo", em 1991, a que se seguiram "Benjamim", "Budapeste", "Leite Derramado" e "O Irmão Alemão", publicado em 2014.

Chico Buarque fora já distinguido duas vezes com o prémio Jabuti, o mais importante prémio literário no Brasil, pelo romance "Leite Derramado", em 2010, obra que também venceu o antigo Prémio Portugal Telecom de Literatura (atual Prémio Oceanos), e por "Budapeste", em 2006. 

Em 2017, venceu em França o prémio Roger Caillois pelo conjunto da sua obra literária.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum".

Foi atribuído, pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga. Em 2018 o prémio distinguiu o escritor cabo-verdiano Germano Almeida, autor de "A ilha fantástica", "Os dois irmãos" e "O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo", entre outras obras.