24 setembro, 2021
0 mins
Poema do Dia

Luís Miguel Nava

Ficávamos no quarto até anoitecer

ao conseguirmos situar no mesmo poema 

o coração e a pele

quase podíamos erguer 

entre eles, uma parede

e abrir depois 

caminho à água.