15 junho, 2021
2 mins
Que Coisa São As Tardes?

Mais livros que tempo

A maravilha do livro é essa. Uma presença que não julga, uma companhia sempre pronta, um conforto que nos desloca a nós leitores. 

Afirmava Almada Negreiros, inquieto e quase perdido: "Não duro nem para metade da livraria". Acaba por ser uma verdade dura, esta da consciência do tempo que não se tem. Por outro lado, é um tempo ganho cada vez que se agarra num livro. Cada vez que mergulhamos de cabeça noutras realidades, noutros mundos e noutras pessoas. Passamos nós também a ser protagonistas de uma história e de uma vida com tempo ilimitado. 
 
Às vezes olho para as minhas estantes e reparo no que ali está. No arrumado que tudo já esteve, no caos que agora se apresenta. Livros empilhados, perdidos, deslocados. Pouco espaço para tanto livro. Livros que tapam quadros e molduras. Penso no que já li e no que falta. E falta tanto. Há ali livros lidos mais do que uma vez. Outros onde nem toquei. A maravilha do livro é essa. Uma presença que não julga, uma companhia sempre pronta, um conforto que nos desloca a nós leitores. 
 
Os livros mudam as pessoas. Acabam por ser perigosos porque levam daqui aqueles que não suportam a sua realidade. Levantamos os pés do chão cada vez que se viram páginas. Passamos a ser parte integrante de um diálogo, de uma paisagem. Entramos em casa de desconhecidos e sentamo-nos à mesa. Somos servidos e recebidos por quem lá mora. Os autores tinham uma intenção. O leitor talvez lá chegue, talvez não. Pode ser que ainda tenha tempo para descobrir as suas intenções. O livro permite-nos a multiplicação. Passamos a conhecer mais gente e mais lugares. De repente, viram-se páginas, criam-se laços e constroem-se famílias. 
 
Muitas vezes, enchemos o peito e somos arrogantes pensando que teremos tempo para conhecer todas as histórias que temos em casa. Outras vezes, acordamos em alvoroço porque a nossa vida não se estende para que possamos saber dos outros. E vamos andando por aqui, com mais livros do que tempo e passando tempo com os livros. Os livros precisam dos leitores e os leitores precisam dos livros. Precisamos de cheirar os livros. Os novos e os velhos, antes das palavras se atravessarem. Um livro que se abre é uma luz que se acende, é o lançar de uma âncora, deixando que o mar faça o resto.

Gonçalo Câmara